Safra de arroz deve somar 11,6 milhões de toneladas


Imagem: Pixabay


A safra de arroz 2020/21 deverá ser 4% maior e somar 11,63 milhões de toneladas, em uma área de 1.684 mil hectares, incremento de 1,1% em relação à safra anterior. A produtividade média nacional está em 6.905kg/ha, um avanço de 2,9%. Os dados foram contabilizados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A colheita começou em março e está praticamente concluída nos Estados produtores. Nesta safra os altos preços do grão motivaram os produtores a investirem na cultura

Para o longo de 2021 a perspectiva é de recomposição dos estoques de passagem, como resultado da projeção de retração do consumo em razão das estimativas de recuperação econômica. Sobre a balança comercial, a projeção de preços elevados, somada à estimativa de fortalecimento da moeda nacional, reduzirá o ritmo de exportações identificado na safra 2019/20 e a projeção é que o país venda 1,3 milhão de toneladas na safra 2020/21. Assim, a expectativa é que o período encerre com um ameno superavit de 200 mil toneladas na balança comercial do grão, com importações de 1,1 milhão de tonelada para o mesmo período. 

{module Form RD}

Por regiões

Na Região Norte, a previsão é de incremento na área plantada em 2,0% em comparação à safra anterior, podendo aumentar a produção que, atualmente, está estimada em 1.054,3 mil toneladas (aumento de 6,3% em comparação à safra passada). Com isso, a região deverá se configurar como a segunda maior produtora nacional de arroz, tendo como maior destaque a produção de Tocantins. 

No Estado o arroz irrigado, de primeira safra, teve médias de produtividade oscilando entre 90 e 120 sacas/ha. Houve uma variação de produtividade em torno de 5,7% em comparação à safra passada, 2019/20. Para o alcance dessa variação, o produtor investiu em adubação, utilização de novas variedades e melhoria no manejo da cultura, tudo isso atrelado às boas condições climáticas, que contribuíram para o bom desenvolvimento da cultura.

O destaque negativo fica no Mato Grosso. Na primeira safra, especialmente em fevereiro e março, somado aos manejos impróprios para um pacote de alta tecnologia, culminou na ocorrência de elevado percentual de grãos avariados e de número de inteiros fora dos padrões, em comparação às últimas safras. Ainda assim, a produtividade média obtida não observou queda, se limitando os problemas aos parâmetros qualitativos, obtendo-se 3.476 kg/ ha, sendo o resultado inclusive levemente superior ao registrado na última safra, muito por conta das inversões financeiras crescentes aplicadas à cultura. Sendo a área semeada de 114 mil hectares, a produção colhida foi de 396,3 mil toneladas, e a entrada de oferta tem pressionado as cotações, na região de Sorriso e Sinop.

No Rio Grande do Sul, principal produtor, a colheita do arroz está encerrada. As condições climáticas foram ideais para as operações, já que o volume de chuva, embora tenha sido próximo da normalidade, ficou concentrado em poucos episódios de grande intensidade. Com isso, a produtividade média foi mantida igual ao levantamento anterior, configurando essa como a safra com maior produtividade já registrada. Isso se deve a alguns fatores como: boas condições de temperatura e luminosidade durante o ciclo da cultura, rotação com soja, semeadura no período recomendado, eliminação de áreas marginais ou muito infestadas por invasoras, além da constante evolução dos produtores quanto a manejo e tecnologias.

Por: Eliza Maliszewski | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.