Safra de grãos em 2020 é estimada pela DATAGRO em recorde de 255,01 mi t

A safra de grãos do Brasil em 2020 é estimada em recorde de 255,01 milhões de toneladas, segundo estimativa da Consultoria DATAGRO. O volume representa uma alta de 2% sobre o recorde anterior do ano passado de 250,12 milhões de t. Esse resultado apontado para a produção brasileira de grãos acompanha o décimo aumento consecutivo de área pelos produtores, além do elevado padrão tecnológico adotado e comportamento climático razoável.

“O país confirmou o décimo aumento consecutivo de área, alcançando 65,68 milhões de hectares e avanço de 4% sobre os 63,40 milhões de ha do ano passado. E que por sua vez havia crescido 2% sobre os 62,09 milhões de ha de 2018”, disse o coordenador de Grãos da DATAGRO, Flávio Roberto de França Junior, acrescentando que essa motivação do setor veio por conta dos positivos preços médios na maioria das culturas analisadas durante o ano de 2019.

A produção das oleaginosas (caroço de algodão, amendoim, colza/canola, girassol, linhaça, mamona, soja, babaçu-amêndoa e palma-fruto) tem incremento estimado em 2% neste ano, totalizando 128,92 milhões de t, com 122,06 milhões de t apenas de soja. Além disso, destaque na projeção entre os produtos para alta de 22% na safra de amendoim, para um total de 560 mil t em 2020.

Já a safra de cereais (arroz, aveia, centeio, cevada, feijão, milho, sorgo, trigo e triticale) é estimada pela DATAGRO em 126,09 milhões de t, com avanço menos expressivo ante o último ano, de 1%. Considerando as duas safras de milho produzidas pelo Brasil, o cereal tem participação de 102,72 milhões de t no volume total. Neste ano, a produção de sorgo deve ter um salto de 14%, para 2,40 milhões de t.

França destaca também que a projeção de safra recorde é resultado de um comportamento de neutralidade meteorológica, com chuvas próximas da média no Centro-Sul e Centro-Norte do Brasil. A exceção ficou por conta da seca no Rio Grande do Sul e Santa Catarina na safra de verão, e no Paraná e Mato Grosso do Sul na safra de inverno de milho.

O produtor adotou satisfatório padrão tecnológico na temporada, apesar de algumas limitações. “Os preços internacionais não estavam exatamente empolgantes nos principais produtos, os custos de produção subiram em função do câmbio, o crédito público para a safra ficou mais curto no que diz respeito ao montante com juros controlados e houve alguma restrição do crédito pela iniciativa privada, relacionada ao aumento da inadimplência por parte dos produtores”, explica França.

Fonte: DATAGRO

LEIA TAMBÉM:

{module 441}
{module 442}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.