Safra de milho do Brasil sobe para recorde de 89,6 mi t, aponta pesquisa

A safra de milho do Brasil, que está entrando em uma fase decisiva, deverá saltar para um recorde de 89,6 milhões de toneladas em 2016/17, em meio a perspectivas de produtividades elevadas, apesar de dúvidas que começam a surgir com o calendário de plantio das lavouras de inverno, apontou nesta terça-feira uma pesquisa da Reuters.

O levantamento com 18 fontes, incluindo analistas e entidades do setor, indica que haverá um crescimento de 34,7 por cento ante a temporada 2015/16, que foi bastante afetada por chuvas irregulares.

A colheita de verão, que está em andamento, deverá alcançar 29,7 milhões de toneladas, crescimento de cerca de 15 por cento ante o ano anterior, segundo a média das projeções.

“A colheita do milho verão atingiu 11 por cento da área do centro-sul. Ela segue atrasada em relação à safra passada, mas os trabalhos continuam ganhando ritmo, especialmente no Rio Grande do Sul, e os reportes são de produtividades muito boas”, disse a AgRural, em relatório.

À medida que avança a colheita de soja, principal cultura do verão brasileiro, crescem as expectativas com a chamada “safrinha”, que é plantada logo após o ciclo da oleaginosa no Centro-Oeste e no Paraná, principalmente.

Após ver cotações disparando em 2016, em meio à quebra de safra e na esteira de fortes exportações, agricultores brasileiros decidiram apostar em um aumento de área de milho de segunda safra.

Analistas ouvidos pela Reuters disseram que a combinação de uma área maior e de uma recuperação de produtividades para níveis históricos deverá resultar em uma colheita recorde.

 

A média das projeções compiladas indica uma segunda safra de milho em recorde de 60,7 milhões de toneladas, alta de 49 por cento ante 2014/15.

“A área a ser colhida e o rendimento médio devem crescer 9,2 por cento e 36,9 por cento, respectivamente, em decorrência das expectativas de um ano mais chuvoso, notadamente no bioma Cerrado, que abrange parte dos Estados produtores desse cereal”, disseram técnicos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou estimativa atualizada na semana passada.

Contudo, como o plantio do milho de segunda safra depende da colheita da soja, atrasos em algumas regiões importantes já chamam a atenção dos especialistas.

Em Mato Grosso, principal Estado produtor de milho “safrinha”, fortes chuvas na região oeste do Estado nos últimos dias, que provocaram até alagamento de lavouras, podem vir a comprometer o calendário ideal de plantio de milho. Por outro lado, as chuvas podem garantir umidade de solo para uma boa largada no ciclo de desenvolvimento das plantas.

No Paraná, outro importante produtor de milho de segunda safra, a colheita da soja está atrasada em função de um ciclo que foi alongado pelo clima.

“Tem essa questão da chuva de Mato Grosso. E no Paraná ainda há áreas atrasadas. À medida que a colheita (de soja) vai atrasando, a safrinha vai também”, disse o diretor da corretora Labhoro, de Curitiba, Ginaldo de Sousa.

Segundo ele, que projetou a safra total de milho do país em 90 milhões de toneladas, ainda é cedo para que qualquer prejuízo para o milho seja contabilizado, e será necessário monitorar o desenvolvimento da cultura nas próximas semanas para realizar eventuais ajustes.

 

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.