Safra de milho sob a influência das chuvas

Safra de milho sob a influência das chuvas

Segundo o Boletim de Monitoramento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Minas Gerais, mesmo com o plantio prestes a ser concluído, enfrenta um desafio: o desenvolvimento das lavouras aquém do potencial esperado, uma direta consequência da baixa reserva hídrica do solo. Contrastando esse cenário, no Rio Grande do Sul, as lavouras de milho semeadas em agosto já avançam para o estágio reprodutivo, embora as chuvas recentes e o tempo nublado imponham obstáculos à polinização da cultura.

Minas Gerais

Embora o plantio esteja sendo finalizado, o desenvolvimento das lavouras não atinge o potencial esperado, uma consequência direta da baixa reserva hídrica do solo.

Rio Grande do Sul

Em contrapartida, no Rio Grande do Sul, as lavouras de milho semeadas em agosto já iniciaram o estágio reprodutivo. No entanto, as chuvas recentes, juntamente com o tempo predominantemente nublado, têm comprometido a polinização da cultura.

Bahia

Na Bahia, a semeadura do milho avança lentamente, ajustando-se ao regime de chuvas, especialmente na região Oeste. Estima-se que aproximadamente 6% das áreas necessitem de replantio, o que reflete o impacto do déficit hídrico também presente em outras regiões do estado.

Paraná

No Paraná, o cenário é mais favorável. Com o plantio já concluído, a maioria das áreas encontra-se em estágios reprodutivos. As condições climáticas mais secas têm favorecido a realização de tratos culturais, resultando em um bom desenvolvimento geral das lavouras.

Santa Catarina

Em Santa Catarina, a redução das chuvas foi um fator positivo para o desenvolvimento das lavouras, porém o excesso de chuvas durante a polinização resultou em falhas de grãos nas espigas. A incidência de doenças, especialmente a bacteriose, devido à umidade excessiva, é um alerta para a vigilância fitossanitária constante.

São Paulo

No estado de São Paulo, o plantio do milho já foi concluído, e as lavouras apresentam bom desenvolvimento, refletindo um manejo agrícola eficiente e a adequação às condições climáticas locais.

Goiás

Em Goiás, as lavouras estão em condições fitossanitárias favoráveis, com algumas áreas já iniciando o estágio reprodutivo, um indicativo do potencial produtivo da região.

Pará

Por fim, no Pará, o ritmo de plantio do milho está lento, progredindo conforme a ocorrência de precipitações.

Desenvolvimento da primeira safra de milho no Brasil: Desafios e atrasos na floração

Praticamente metade das lavouras de milho da primeira safra estão passando pelo desenvolvimento vegetativo. Porém, cerca de 21,7% das lavouras estão passando pelo período crucial da floração. E a perspectiva para os próximos dias, indicam condições adequadas, com chuvas um pouco mais presentes e temperaturas abaixo da temperatura basal superior.

Ainda assim, o progresso geral passou de 65.9% para 73.5% nos estados analisados pela Conab. Comparando com 82.3% do período correspondente na safra anterior, a situação geral pode ser considerada como atrasada.

-No Maranhão, observa-se um incremento na semana do monitoramento para 7.0%, comparado aos 5.0% da semana passada, indicando um progresso lento, mas contínuo. Comparado ao mesmo período da safra anterior, onde estava em 36.0%.

-No Piauí, o progresso aumentou de 8.0% para 12.0% na última semana, mostrando um desenvolvimento mais rápido, porém, em comparação com os 30.0% do ano anterior no mesmo período, este progresso está atrasado.

-Na Bahia, a semana do monitoramento registrou um salto significativo de 47.0% para 60.0%, contrastando com 89.2% do ano anterior, indicando que o progresso atual está muito atrasado

-Em Goiás, houve um avanço modesto de 61.0% para 65.0% na semana recente. Comparando com 72.0% da safra anterior.

-Minas Gerais apresentou um aumento de 81.0% para 94.0%, aproximando-se do percentual de 100.0% do ano anterior, portanto, condição semelhante à safra anterior.

-São Paulo alcançou 100.0%, saltando 30 pontos percentuais em relação ao último monitoramento.

-No Rio Grande do Sul, houve um leve aumento de 84.0% para 86.0%, mas ainda abaixo dos 89.0% da safra passada, sendo classificado como normal.

-Paraná e Santa Catarina já finalizaram as operações.

Fonte: Aline Merladete | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.