Safra de sorgo será 16% menor


Imagem: Pixabay

Mesmo com o aumento na área plantada e toda rusticidade da cultura em relação ao estresse hídrico, ainda assim a expectativa é de redução na produção total nesta temporada 2020/21 em comparação ao ciclo passado. Os baixos níveis pluviométricos em muitas regiões produtoras do grão fez com que o potencial produtivo não fosse atingido, perfazendo um rendimento médio abaixo do exercício anterior. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a previsão é de obtenção de um volume final na ordem de 2.098,2 milhões de toneladas, indicando diminuição de 16% em comparação a 2019/20.

No Pará, diferente de boa parte das regiões produtoras, houve aumento de área semeada e incremento na produtividade média em relação ao ciclo passado. As condições foram favoráveis à cultura nas fases mais críticas do desenvolvimento, permitindo uma produção melhor que na temporada passada, alcançando 54,9 mil toneladas colhidas.

Em Tocantins, a colheita do grão foi encerrada na primeira semana de agosto, e a produtividade média das lavouras ficou em 2.163 kg/ha. Houve aumento na área plantada de 48% em relação à safra passada, garantindo um bom resultado final, ultrapassando as 109,4 mil toneladas.
No Maranhão, na região leste, tem-se observado uma tendência de cultivos extensivos de segunda safra do sorgo, imediatamente após a colheita de soja, em virtude desse cereal apresentar uma maior tolerância às condições de estresse hídrico que normalmente ocorrem nesse período. Além de boa cobertura do solo e alta durabilidade da palhada, a cultura normalmente tem um preço atrativo de venda, com mercado para outros estados e atuando, ainda, na redução da população de nematoides que permanecem no solo após a colheita. A cultura do sorgo, cultivada na região sul do estado, em substituição aos cultivos de soja, teve a semeadura realizada entre o final de fevereiro e março de 2021. A colheita iniciou de maneira relativamente tímida em algumas unidades produtivas, intensificando-se em agosto de 2021. Na presente safra, a área total apresentou 9,8 mil hectares, com redução de 7,5% em relação à área plantada da safra anterior devido ao menor interesse de cultivo da cultura. A produtividade média ficou em 2.247 kg/ ha, e a produção em 22 mil toneladas.
No Piauí, a lavoura de sorgo é plantada como cultura de segunda safra, em sucessão à soja. O plantio no estado ocorreu no final de março. A área plantada na safra 2020/21 foi de 11,6 mil hectares, 59,3% menor que a área da safra anterior, com os produtores optando por plantar maiores áreas de milho segunda safra. A colheita desta cultura está finalizada, obtendo produtividade média na ordem de 1.264 kg/ha, sendo 30,2% inferior à obtida na safra anterior devido ao baixo índice pluviométrico durante o ciclo da cultura, principalmente, na fase de enchimento de grãos.

{module Form RD}

No Rio Grande do Norte, a cultura do sorgo com dupla aptidão vem se tornando uma das principais alternativas de alimentos volumosos para os rebanhos, sobretudo os bovinos, já que a maior parte da produção da planta vai para ração animal (forragem). Como o levantamento considera somente o sorgo granífero, estima-se na presente safra uma área de 600 hectares, mantendo assim em estabilidade. Em compensação, a produção estimada do grão foi 16,7% menor que a safra 2020, atingindo 500 toneladas.

Na Bahia, na região do extremo-oeste, em relação ao sistema de manejo, a agricultura empresarial apresenta um intenso uso de insumo, com a mecanização do preparo da área até a colheita. O sorgo serve como eventual substituto do milho nas rações do setor granjeiro e pecuário, influenciado pela alta e forte demanda do milho. No que se refere aos efeitos climáticos na produção, o volume de chuva reduzido em março e abril reduziu o potencial produtivo da lavoura. Na região centro-norte, as áreas que alcançaram produção estão sendo colhidas e comercializadas nas próprias localidades, visto que a procura pelo produto tornou-se mais acentuada com o avanço da estiagem e o preço do milho. Contudo, na maior parte das áreas, a baixa produção levou os agricultores a destinar as lavouras para silagem. Além disso, os últimos campos em produção foram os mais afetados pela seca, o que indica a mesma utilização. Na região centro-sul, as plantas resistiram melhor à estiagem e alcançaram melhor rendimento, se comparado às outras culturas.

No entanto, em virtude do preço do milho, a demanda por silagem para alimentação animal está maior, por esse motivo, a facilidade do manejo e a baixa produção compensou utilizar ou comercializar parte das lavouras para silagem. Por consequência, a produção final foi menor que a esperada. No geral, se estima uma redução na produção total se comparada a 2019/20, em razão das intempéries climáticas e os seus impactos sobre o rendimento médio da cultura. Assim, mesmo com aumento na área plantada, a perspectiva é de obtenção de um volume 5,2% inferior ao do ciclo passado, ficando em 148,2 mil toneladas colhidas.

Em Mato Grosso, a colheita do sorgo foi encerrada em agosto, com finalização dos 20% que restavam neste mês, e até mesmo esta cultura, que costuma ser mais resistente ao clima seco, sofreu com a estiagem nesta temporada, e registrou produtividade média de 2.670 kg/ha, 9,9% inferior aos 2.964 kg/ha obtidos no ciclo passado. Nem mesmo os maiores investimentos aplicados à cultura do sorgo foram suficientes para reverter o quadro de perda. Substituto do milho na formulação de ração animal, suas cotações têm disparado em âmbito estadual, dada a restrição da oferta deste insumo, muitas vezes rompendo com a tradicional equalização de cerca de 80% do preço do milho. Essas condições mercadológicas incentivaram o aumento de área, cujo montante foi de 49,3 mil hectares, 5,7% superior ao do ano passado. Neste momento, a comercialização já ultrapassa mais da metade da produção colhida.

Em Mato Grosso do Sul, os problemas climáticos que a cultura passou durante o ciclo, impactou diretamente no rendimento das graníferas. No entanto, o expressivo aumento de área semeada nesse ciclo mudou completamente o panorama esperado para a safra. Aproximadamente 68% das áreas já foram colhidas, e são representadas basicamente por lavouras implantadas na região centro-norte estadual. Já no centro-sul, onde as lavouras são mais atrasadas, a operação será realizada basicamente em setembro. De maneira geral, a previsão é de uma produção 89,4% superior a 2019/20, devendo alcançar 68,2 mil toneladas.

Em Goiás, a falta de chuvas reduziu o potencial das lavouras, com isso, diminuiu a produtividade e qualidade dos grãos, além disso, por questões de falta de armazéns, os custos de logística fazem com que os produtores comercializem seus produtos na lavoura. Estima-se um aumento de 0,8% na área plantada, e um recuo de 18,1% na produtividade e de 17,4% na produção em relação ao ciclo anterior.

No Distrito Federal, a área cultivada tem um recuo de 1% em relação ao ciclo anterior. As lavouras se encontram em plena colheita, visto que 50% já foram colhidas. A produtividade média está estimada em 4.240 kg/ha, 14.9% inferior aos 4.980 kg/ha obtidos na safra anterior, redução provocada pela falta de chuvas nos estádios de floração e enchimento dos grãos. Assim, a produção poderá alcançar 41,6 mil toneladas, 15,6% inferior à produção da safra anterior.

Em Minas Gerais, as áreas de sorgo estima-se uma redução em 2,4%. A área de 195,9 mil hectares está com produtividade esperada de 2.901 kg/ha, 25,6% menor que o fechamento de safra anterior. A produção estimada é 27,4% inferior à safra 2019/20. Apesar de ser uma cultura com maior resistência ao clima, os efeitos do déficit hídrico e geada indicam potencial de reduções até o fechamento da safra. O estádio de colheita para o sorgo no estado é de 74%.

Em São Paulo houve uma estabilidade na destinação de área para o plantio da cultura, porém a produtividade média deve ficar bem abaixo do potencial esperado em virtude das adversidades climáticas registradas durante o ciclo (escassez de chuvas, baixa umidade no solo e geadas). Assim, o volume final previsto é 27,3% inferior ao obtido em 2019/20, com estimativa de 25,3 mil toneladas colhidas.

Por: Eliza Maliszewski | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.