Santa Catarina: Indústria da carne propõe cooperação e pede valorização do setor



Imagem: Pixabay


Cooperação e valorização da cadeia produtiva agroindustrial da proteína animal. Isso é o que espera da nova administração federal o presidente do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne) José Antônio Ribas Júnior.

O dirigente disse que a vasta cadeia produtiva da carne espera participar e ser ouvida nas decisões que impactam o setor. “Como geradores de riqueza e responsáveis por alimentar tantos em tantos lugares, queremos ver nossos pleitos considerados nas políticas e estratégias públicas”, assinala. Observa que “todos temos posicionamentos políticos, mas a eleição terminou em novembro, a vontade do povo foi expressa num ambiente democrático. Agora trabalhamos todos pelo Brasil”.

{module Form RD}

Os novos administradores nas esferas federal e estadual devem honrar os compromissos assumidos e implementar as propostas aprovadas pelo eleitor, pavimentando a estrada do desenvolvimento social, econômico e ambiental do Brasil. “Neste sentido podemos ser os melhores parceiros dos nosso líderes políticos”, assevera.

Sobre o programa de reindustrialização no País, que deverá ser implementado pelo BNDES, o presidente do Sindicarne considera fundamental que o Brasil retome essa prioridade. “Vivemos anos de desindustrialização. O Primeiro Mundo se industrializou, gerou riquezas e hoje ainda colhe seus frutos. China investe em educação, tecnologia e indústrias de todos os setores como base geradora de prosperidade e como segurança e soberania nacional. O Brasil não viveu a plenitude ou amadurecimento deste ciclo. Faltam-nos indústrias em diversos setores. Desde indústria de base até de tecnologias de ponta.”

Lembra que o empreendedorismo e o desenvolvimento industrial e comercial brasileiro passam por segurança jurídica, políticas estáveis de longo prazo, acesso a credito e, fundamentalmente, pela estabilidade política e democrática.

O Sindicarne lamenta que o parque industrial brasileira seja antigo, de eficiência limitada e, por consequência, de baixa competividade, principalmente se comparados à China. Mas, o Brasil pode se tornar uma alternativa importante ao mundo, modernizando e criando um ambiente atrativo para os investimentos. Para isso será necessário um plano de Estado e não apenas de um governo. “Grandes investimentos demandam prazos extensos, segurança e estabilidade de políticas”, lembra Ribas.


MEDIDAS

As entidades do agronegócio estão preocupadas com algumas medidas que o novo governo pode implementar, como a tributação de insumos agrícolas e a retirada de alguns estímulos ou desonerações fiscais na indústria de alimentos. O empresário está convicto, porém, que o atual governo irá analisar com muita responsabilidade e ouvir os representantes do setor, antes de quaisquer movimento. Ao estudar o agro, analisar as contas e entender os impactos deste setor que gera riqueza – representa 55% da balança comercial brasileira – provavelmente , todos sentarão à mesa para discutir as melhores estratégias.

O presidente do Sindicarne aponta que seria contraproducente às políticas sociais do Governo Federal gerar desestímulo ao investimento no agronegócio. Comentou que, no Congresso, a FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária) reconhece e defende as pautas agro com muita competência técnica e política.

“Nosso rico Pais é pobre”, proclama o dirigente. Esse cenário somente será mudado com a geração de empregos, alimento à mesa das pessoas e, consistentemente, gerando crescimento anual do PIB acima de 5%. Qualquer verdadeira liderança política sabe onde as alavancas do desenvolvimentos estão.

Não à toa nas ultimas COP 26 e 27 COP (Conferencia das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas) os países desenvolvidos citam a produção de alimentos como questão central de segurança e soberania nacional. Que outro País pode falar do seu agro igual o Brasil: temos sanidade como patrimônio, competitividade, qualidade e sustentabilidade. Temos que fazer destas nossas competências, alavancas definitivas para tornas o Brasil um a potência mundial.

Por essas razões, o sindicalista não acredita que serão criados obstáculos ao agronegócio. “Mas estamos e estaremos atentos. Não queremos vantagens e ou benefícios indevidos, queremos apenas exercer nossa maior virtude: produzir e gerar riqueza ao País”, anuncia. “O Governo pode e deve nos ver como parceiros. E juntos vamos alavancar nosso desenvolvimento. Retroceder jamais”, declara o presidente José Ribas Júnior.

Fonte: Notícias Agrícolas 

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.