Eleições presidenciais na Argentina: Segundo turno incerto e impactos no setor de commodities

Eleições presidenciais na Argentina: Segundo turno incerto e impactos no setor de commodities
Imagem: Pixabay

No final de outubro, a Argentina enfrentou o primeiro turno das eleições presidenciais de 2024. Com dois candidatos e uma candidata com nomes fortes para assumir o cargo, a decisão da cadeira ficará para o segundo turno em 19 de novembro, protagonizado pelos dois candidatos.

No primeiro turno, Sergio Massa saiu na liderança dos votos contra seu opositor Javier Milei. Massa segue sendo o favorito para o segundo turno, mesmo que o cenário seja incerto até o momento.

Muitos argentinos apontam que os dois candidatos para o segundo turno fazem um cenário muito parecido com o Brasil na eleição de outubro de 2023 entre Lula e Bolsonaro, onde dois extremos em posicionamento se enfrentam para governar o país pelos próximos 4 anos.

De um lado, Javier Milei com um discurso de direita, apoiando palanques parecidos com os ex-presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump, prometendo acabar com o sistema político tradicional e populista que o atual governo estabeleceu na Argentina.

Do outro lado, Sergio Massa, atual ministro da economia do país, que liderou os votos no primeiro turno, com um discurso mais próximo de uma centro-esquerda, porém carrega um pessimismo devido a uma falha política econômica implementada no governo atual, que agravou a inflação do país.

Perspectivas pós-segundo turno

O preço das commodities segue a baixa internacional do mês de outubro, porém o que mais preocupa os fornecedores argentinos é como a situação atual do dólar ficará após o segundo turno e quais serão as novas medidas para barrar não apenas a inflação dos produtos, mas também a entrada e saída de dólar, que tem impacto em diversas negociações na Argentina.

O segundo turno tende a ser um ponto de atenção não só para um possível aumento do preço do óleo de girassol, visto que a Argentina segue sendo o maior produtor e exportador da América Latina, mas também para o escoamento do produto após o segundo turno das eleições.

Até mesmo a formação de greves está prevista em alguns pontos estratégicos do país, o que vai acabar dificultando o escoamento do produto para os principais portos, como Rosário e Buenos Aires.

Por: Júlia Vilela, broker da unidade Soft Oils

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.