Setor produtivo avalia negociações sobre acordo comercial Coreia-Mercosul

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou, nesta quinta-feira (10), do seminário “Acordo de Comércio Coreia-Mercosul”, promovido pelo Consulado-Geral da República da Coreia em São Paulo. O evento abordou as negociações entre o bloco econômico e o país asiático do ponto de vista econômico, político, jurídico, tecnológico e geopolítico.

O acordo em negociação prevê livre comércio dos produtos coreanos importados e exportados para o Mercosul. A coordenadora de Inteligência Comercial da Superintendência de Relações Internacionais da CNA, Sueme Mori Andrade, participou do painel “A dimensão política e agrícola do acordo”. Ela apresentou dados da balança comercial entre os dois países e afirmou que a Coreia é um importante parceiro para o Brasil. De janeiro a agosto deste ano, do total de exportações do Brasil para a Coreia, 59% foram de produtos agropecuários.

“Estamos na 4ª posição entre os fornecedores de alimentos para a Coreia. É uma boa colocação, mas poderia ser muito melhor, porque o Brasil não possui as vantagens e preferências que os outros parceiros que já firmaram acordo possuem. Não competimos em pé de igualdade.”

Na avaliação de Sueme, um acordo amplo com o país asiático colocaria o Brasil em uma condição de competição mais próxima dos demais e, além das questões tarifárias, que é uma barreira para o setor devido às altas taxas, também é necessário considerar as questões sanitárias e fitossanitárias e a cesta de produtos agropecuários incluída no acordo.

“O Brasil é um país agro exportador. Então não é possível sentar em uma mesa de negociação sem discutir a abrangência e a ambição desse acordo em pontos como as questões sanitárias e fitossanitárias, por exemplo. A CNA apoia o acordo desde que contemple essas questões e que elas garantam condições reais e concretas de acesso dos produtos agropecuários ao mercado sul-coreano.”

Sueme falou de um estudo que a CNA está desenvolvendo sobre os possíveis impactos do acordo para o setor agropecuário e ressaltou que a Confederação está em diálogo com os Ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores, que são os órgãos que conduzem as negociações do acordo comercial.

No painel “Dimensão Econômica”, o professor de Economia Internacional e Economia Chinesa do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC), Roberto Dumas Damas, destacou a contribuição do agro para a competitividade brasileira, com a exportação das commodities agrícolas.

{module 442}

Damas defendeu a retirada das indústrias brasileiras da “zona de conforto”, com o intuito de modernizá-las e aumentar a competitividade do País. O professor afirmou ainda que o acordo de livre comércio com a Coreia vai abrir mais o mercado para que o agro não fique totalmente dependente da China, podendo diversificar a pauta de exportações e trazer tecnologia para o Brasil.

Sobre o tema “Dimensão Política/Industrial do Acordo”, o diretor-titular do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Thomaz Zanotto, defendeu menos tributos para a produção industrial e afirmou que a parceria com a Coreia pode acontecer com a transferência de tecnologia, facilitação de comércio e conhecimento técnico-científico.

No painel “Dimensão Jurídica”, o professor-titular de Direito Internacional da USP, Gustavo Mônaco destacou a importância de se conhecer e debater os termos do acordo, inclusive, com a sociedade civil. Ressaltou que o tratado é possível juridicamente. No entanto, ressaltou que não há obrigatoriedade de publicidade dos termos antes da assinatura entre as partes.

O consultor e professor de Direito, Amenio dos Santos, debateu a situação atual do Mercosul. Para ele, o acordo é uma circunstância que deve ser vista estrategicamente pela importância. Porém, devem-se acelerar as negociações para acordos bilaterais.

“Defendo fazer o acordo como guarda-chuva, continuar as negociações, considerar todos os aspectos e peculiaridades, mas fazer um acordo bilateral que pode ser muito mais vantajoso, rápido, eficiente e eficaz, tanto para a Coreia quanto para o Brasil”.

O cônsul-geral da Coreia, Hak You Kim, afirmou que as discussões do seminário vão contribuir para o entendimento dos impactos do acordo na economia do Brasil e da Coreia. “O objetivo de todos nós é criar um ambiente favorável para acelerar as negociações entre as partes.” Kim ressaltou que um acordo de livre comércio será positivo para a retomada da economia dos países envolvidos no PÓS-COVID.

Fonte: DATAGRO

LEIA TAMBÉM:
{module 441}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.