Soja em alta no Brasil com demanda aquecida


Segundo apurou a pesquisa diária do Cepea, os preços da soja no mercado físico brasileiro fecharam a quinta-feira (14.02) com preços médios da soja subindo 0,78% nos portos e 0,88% no interior. De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, o movimento se deveu à maior demanda da China em comprar mais soja brasileira – o que elevou prêmios e preços no Brasil. “Num dia em que Chicago caiu 13 pontos ou 1,42% e o dólar caiu mais 0,34% como explicar os preços da soja [em alta no Brasil]? Pelo aumento dos prêmios, que subiram 5 cents/bushels para março, 3 cents para abril e 2 para junho que, por sua vez, responderam a uma pressão da demanda chinesa sobre a soja brasileira que continuou nesta quinta-feira”, aponta o analista da T&F Luiz Fernando Pacheco. 

Segundo ele, também foram renegociados contratos “no mercado de papeis”, como os traders chamam, em Paranaguá de vários lotes para março e maio. Os prêmios praticamente dobraram em Paranaguá nos últimos 30 dias, passando de + 35 para +70 sobre março e junho. Com isto, os preços subiram nos portos sobre rodas para R$ 78,63, elevando os ganhos de fevereiro para 2,01% e para R$ 73,69/saca no interior, elevando os ganhos do mês para 1,99%.
 
FUNDAMENTOS
As chuvas iminentes e intensas sobre o Centro do Brasil são reafirmadas nas atualizações climáticas de hoje, aponta a Consultoria AgResource: “Os totais pluviométricos se intensificam para um patamar entre 50-80mm acumulados entre 14 e 19 de fevereiro. Além do mais, este padrão parece se expandir por todo o Sul do país e MATOPIBA, com índices semelhantes”. 

“Em exceção ao Rio Grande do Sul, a grande maioria da soja de primeira safra já está em período de reprodução avançado ou maturação, sendo que estas chuvas não trariam um impacto significante na melhor produtiva à nível nacional. Já visando a segunda-safra, onde o plantio segue a todo vapor, os níveis de umidade de solo e conforto vegetal tem se elevado, proporcionando um bom início de desenvolvimento. Na Argentina o cenário continua preocupante frente a falta de chuvas nos próximos 5 dias, pelo menos”, conclui a ARC Mercosul.

Fonte: Agrolink | Autor: Leonardo Gottems

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.