Soja intensifica perdas em Chicago, cai mais de 1%, mas disparada do dólar no BR mantém preços fortes

Os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago intensificam suas baixas no pregão desta quinta-feira (20) e, por volta de 11h10 (horário de Brasília), cediam mais de 1% – ou registrvam perdas de 5,75 a 8 pontos nos principais vencimentos. Assim, o contrato novembro tinha US$ 9,06 e o março/21, US$ 9,15 por bushel. 

As vendas semanais norte-americanas muito fortes para a safra nova, passando de 2,5 milhões de toneladas, foram insuficientes para frear o movimento de realização de lucros desta quinta-feira. 

Enquanto isso, no Brasil, o dólar passa a ser o destaque. A moeda americana dispara nesta quinta, sobe mais de 2% e chega aos R$ 5,65, o que mantém as cotações ainda muito firmes e sustentadas no Brasil. 

Por outro lado, o mercado brasileiro se mostra vazio de novos negócios, como explica o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. “Continuamos com uma forte pressão de compra, na faixa de R$ 125 a R$ 130 no Sul do Brasil nas posições comentadas para lotes livres, nos portos entre R$ 128 e R$ 130 do lado dos compradores, mas sem vendedores. A soja sumiu”, diz Brandalizze. 

O consultor explica que há menos de 10 milhões de toneladas de soja disponível ainda para serem comercializadas – contra normalmente algo perto de 20 milhões para este período do ano, além de mais de 45% da nova safra do país já estar comprometida com a comercialização. 

“E agora, o produtor quer se focar no plantio, no clima, no que está por vir e fazer um bom trabalho agora. Assim, a semana vai passando praticamente sem negócios, apenas com situações pontuais de novos fechamentos, explica o consultor. 

{module 442}

MERCADO EM CHICAGO

Os traders mantêm sua postura mais cautelosa e acompanham o levantamento de dados do Crop Tour ProFarmer, em andamento nos EUA para avaliação da safra 2020/21. 

Mais do que isso, o mercado também se ajusta depois de bater nas máximas em sete meses e espera por novas informações para que continue se posicionando. Ainda assim, permanece no centro das atenções as questões ligadas à demanda e ao clima no Corn Belt. 

Segundo Steve Cachia, consultor de mercado da Cerealpar, as baixas revelam ainda que “os traders já estão antecipando que o crop tour da ProFarmer pode não confirmar as perdas esperadas após passagem da tempestade Derecho na semana passada”.

Nesta quinta-feira (20), caem todas as commodities, e não só as agrícolas. “Petróleo tem 1% de baixa, mostrando também que os fundos de commodities estão em modo de liquidação, ou para garantir alguns lucros ou para se proteger contra o pessimismo relacionado a Covid e economia global. O dólar em leve alta com postura também de aversão ao risco dos traders”, completa Cachia.

Fonte: Notícias Agrícolas

LEIA TAMBÉM:

{module 441}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.