Brasil, Paraguai, Bolívia e Uruguai podem para que Argentina deixe de cobrar taxa de circulação na hidrovia Paraguai-Paraná

Brasil, Paraguai, Bolívia e Uruguai podem para que Argentina deixe de cobrar taxa de circulação na hidrovia Paraguai-Paraná
Imagem: Adobe Stock

Os governos de Brasil, Paraguai, Bolívia e Uruguai emitiram um pedido formal à Argentina para que esta elimine a taxa que incide sobre as embarcações que navegam na hidrovia Paraguai-Paraná. Essa medida é vital, já que as cinco nações assinaram um acordo para facilitar o tráfego em um canal de 3,4 mil quilômetros, crucial para o escoamento de produtos agrícolas.

Recentemente, a empresa Hidrovias do Brasil enfrentou uma situação em que foi obrigada a retirar uma embarcação de circulação. Isso ocorreu porque a empresa se recusou a pagar uma taxa de US$ 1,47 por tonelada de grãos que estavam sendo transportados desde o Mato Grosso do Sul. O governo argentino justifica essas cobranças, alegando que elas são necessárias para cobrir os custos de manutenção do canal.

No corrente ano, a Argentina intensificou o uso da hidrovia como resultado de uma seca histórica que reduziu em 50% a colheita na temporada 2022/2023. Consequentemente, de acordo com dados oficiais do governo, nos primeiros sete meses de 2023, cerca de 51% das 7,19 milhões de toneladas de soja importadas tiveram origem no Paraguai, enquanto 45% vieram do Brasil.


Desafio com a taxa no transporte fluvial Sul-Americano: A necessidade de cooperação e diálogo para o comércio eficiente

Esse impasse ressalta a importância de uma resolução rápida e favorável para garantir que o transporte fluvial de mercadorias continue eficiente e econômico nessa região fundamental para a economia desses países sul-americanos. O diálogo entre as nações envolvidas é crucial para encontrar uma solução equitativa que beneficie a todos os envolvidos.

Além disso, é fundamental considerar que essa questão não afeta apenas os governos, mas também as empresas e trabalhadores envolvidos no comércio de commodities. A instabilidade nas taxas e regulamentações pode prejudicar os negócios e a geração de empregos em uma região que depende fortemente do comércio internacional.

Empresas e trabalhadores no comércio de commodities enfrentam riscos devido à instabilidade nas taxas e regulamentações. Isso afeta negativamente a economia regional. Portanto, a cooperação entre países é crucial para resolver isso e manter o transporte fluvial viável e econômico para o escoamento agrícola.

O sucesso dessas negociações beneficia as nações envolvidas e promove a integração regional e o desenvolvimento sustentável na América do Sul.

Fonte: Datagro

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.