Trigo brasileiro se destaca em genética

O trigo é um dos cereais mais cultivados no mundo, sendo a segunda principal cultura com 773,4 milhões de toneladas, cerca de 23% da produção global de grãos. Fica somente atrás do milho (36%) e a frente de outras importantes como soja (11%) e arroz (15%). 

No Brasil os maiores produtores são Rio Grande do Sul e Paraná mas também há presença do cereal no Sudeste, Centro-Oeste e até no Nordeste. O consumo nacional supera a produção, por isso o país importa trigo, grande parte da Argentina. O Brasil também exporta mas um volume muito baixo. Em 2019 foi 0,4 milhão de tonelada. Já nesta safra, que mal começou 880 mil toneladas já estão contratadas – a estimativa é 1 milhão de toneladas para exportação, com um mercado de preços aquecidos.

Nos últimos anos a tecnologia na lavoura de trigo evoluiu passando por manejo e sementes de alto potencial. Esse segmento passa por um trabalho de melhoramento genético e testes que podem demorar de 8 a 10 anos até se tornar uma variedade comercial. 

Segundo a Conab as mudanças de pacote tecnológico incrementaram a produtividade. Em 2012 era de 2,4 kg/ha e em 2015 passou para 2,9 kg/ha. Na safra passada a produtividade média foi de 5,7 kg/ha. Já existem no mercado cultivares com potencial de produzir até mais do que isso. Outro fator é que indiretamente o trigo pode incrementar a produtividade na cultura a ser plantada subsequentemente, como a soja.

Na Biotrigo Genética, de Passo Fundo (RS), o melhoramento é criterioso. São desenvolvidas novas cultivares em tempo reduzido, média de 6 anos até chegar ao multiplicador de sementes e validadas em mais de 54 pontos no país de forma a se adaptarem às diferentes regiões. As variedades buscam sanidade das lavouras, produtividade, resistência a estresses de clima e hídrico. “Temos que pensar as variedades focadas nas necessidades do moinho e do consumidor, que estão cada vez mais exigentes. Trabalhamos para que o produtor se motive a plantar trigo e ter qualidade, focando nas necessidades do produtor. Também é importante que o agricultor compre semente certificada, porque há alguns anos atrás o trigo era uma cultura marginalizada e, com muito investimento, hoje tem a atenção que merece”, destaca o gerente comercial da América Latina, Fernando Wagner. 

Fonte: Agrolink

LEIA TAMBÉM: 

{module 441}
{module 442}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.