Trigo piora na Argentina e Rússia ameaça: Preço dispara?


Imagem: Pixabay

Os preços do trigo fecharam em alta com a afirmação da Rússia de que não renovará o acordo de liberação de exportações pelo corredor de grãos do Mar Negro, que vence no próximo mês. De acordo com o analista sênior da Consultoria TF Agroeconômica, Luiz Pacheco, esse fator está lançando temores sobre oferta de mundial de trigo.

Por sua vez, a Argentina lançou “alerta laranja” sobre suas áreas de produção de trigo devido a seca total: a falta de água já atinge todas as áreas produtivas do país: “Os mapas elaborados pelo Escritório de Riscos Agropecuários (ORA) mostram uma espécie de alerta laranja, sobre o teor de água no primeiro metro de solo, pelo qual passa a produção agrícola argentina, no quadro de um déficit pluviométrico que não diminui”, afirma o especialista.

De acordo com Pacheco, o fenômeno climático La Niña ameaça derrubar a safra de trigo e também reduzir com força o plantio de milho precoce, enquanto a soja e o milho tardio estão esperando. No último mapa, correspondente a 10 de outubro, todas as áreas produtoras de trigo do país aparecem no “alerta laranja”, com exceção de um pequeno número de hectares em Entre Ríos e alguns outros em Buenos Aires, onde a condição ainda é escassa reservas.

{module Form RD}

A Bolsa de Cereales de Buenos Aires (BCBA) divulgou que a parcela da safra em condição boa ou excelente recuou de 14% para 9% na semana. Outros 53% apresentavam condição regular/ruim, ante 46% na semana anterior. A expectativa é de produção de trigo de 16,5 milhões de toneladas, recuo de 5,7% ante estimativa anterior e de 26,3% ante os 22,4 milhões de toneladas da temporada 2021/22. Também é menor que a estimativa de 17,5 milhões de toneladas do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

De acordo com a Consultoria AgResource Brasil, a Rússia propõe um afrouxamento das sanções em troca de uma extensão do corredor de exportação de grãos do Mar Negro. “Por enquanto, o corredor está operacionalizando e as exportações de trigo russo e milho ucraniano aceleraram”, ressalta a AgResource ao afirmar que mantém uma “perspectiva neutra em relação ao preço de 9,20 dólares por bushel no trigo de Chicago e 10 dólares no trigo KC (do Kansas)”.

“Para elevar os preços do contrato de dezembro de Chicago acima de 10 dólares por bushel, é necessário que haja um receio sobre o fechamento total do Mar Negro. A paz russo-ucraniana é necessária para testar novamente 7,50 dólares. As vendas serão feitas em escala nos rallies em meio à incerteza política”, concluem os analistas da filial da empresa norte-americana AgResource Company.

Por: Leonardo Gottems | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.