Trump endurece contra China e afeta soja e Dólar


Reviravolta no mercado da soja neste fim de semana: O presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a aplicar sanções comerciais à China e mudou todo o cenário para o Dólar, para as ações e para a soja. “A Bolsa de Chicago (CBOT) abriu com um gap de 25 cents – algo inédito – e continua caindo. O Dólar no Brasil abriu com um gap de alta e deverá se manter assim por um tempo”, alerta o analista Luiz Fernando Pacheco. 

“Nós já refizemos os cálculos dos preços da soja com a queda de Chicago e um aumento dos prêmios. Estes foram confirmados de 40 para 67, o que ficou dentro do que estávamos prevendo (algo como +70, contra os + 40 da última sexta-feira) supondo que a China se volte somente para o Brasil e o prêmio aumente)”, explica Pacheco, que é da T&F Consultoria Agroeconômica. 
De acordo com ele, o resultado foi que o preço da soja no interior aumentou pouco mais de um real por saca. Na sexta-feira (03.05) havia fechado na média de R$ 69,16 e subiu para R$ 70,75 (com o dólar já aumentado a R$ 3,98). “De modo que não se pode esperar, por enquanto, grandes aumentos no preço da soja. Talvez mais tarde…”, completa Pacheco.

O que pode frear a queda dos preços da soja? “O único elemento constante no mercado que pode ser alterado a curto prazo é a posição dos Fundos de Investimento, que estão excessivamente vendidos e poderiam reverter de uma hora para outra. Mesmo assim, para que isto ocorra, deve haver um sinal de algum outro elemento fundamental, como problemas com o clima ou algum revertério na posição chinesa, difícil neste momento, diante das margens negativas de esmagamento no país, a febre suína e o excesso de óleo de soja produzido, fatores que nos dizem que a China não tem necessidade de aumentar as suas compras”, diz ele.
“As conversações entre EUA-China, em nossa opinião, mesmo que cheguem a bom termo, não deverão produzir efeito significativo para o mercado de soja, porque a China não precisa mais comprar grandes volumes do produto, como mostramos acima. O aumento do rebanho, na China ou fora dela de forma a atendê-la, leva entre 1,8 e 2,0 anos”, conclui.

Postado por
 | Guilherme R. Bezzarro
Fonte | Agrolink 

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.