UE chega a acordo sobre limites às importações agrícolas da Ucrânia

UE chega a acordo sobre limites às importações agrícolas da Ucrânia
Imagem: Canva

A União Europeia chegou a um acordo provisório nesta quarta-feira (20) para conceder aos produtores de alimentos da Ucrânia acesso livre de tarifas aos seus mercados até junho de 2025, mas com novos limites às importações de grãos.

Em janeiro, a Comissão Europeia propôs, com o objetivo de apoiar a economia ucraniana, suspender direitos e cotas sobre produtos agrícolas ucranianos por mais um ano. Além disso, introduziu-se um “freio de emergência”, o qual estabelece tarifas para aves, ovos e açúcar caso as exportações ultrapassem os níveis médios observados em 2022 e 2023, visando equilibrar o mercado e proteger a produção interna da UE de possíveis desequilíbrios.

No entanto, após meses de protestos de agricultores sobre a legislação ambiental europeia e importações abaixo dos preços de mercado, os legisladores da UE pressionaram para estender a lista de emergência para outros produtos agrícolas e adicionar 2021 como ano de referência – um ano antes da invasão russa, quando as exportações ucranianas para o bloco eram limitadas por tarifas e cotas.

Após negociações, os participantes acordaram adicionar aveia, milho, grumos e mel à lista, mantendo o limite na média das importações de 2022 e 2023.

Acordo agrícola Entre UE e Ucrânia gera debate

O primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, celebrou o acordo provisório como “boas notícias”. Ministro francês da Agricultura propõe limites de importação baseados na média de 2021-2023, com mais foco em cereais, como o trigo.

“Precisamos continuar trabalhando nisso”, disse Fesneau à rádio France Info. “Esta não é a posição que a França defendeu, mesmo que haja certo progresso”. A Comissão monitorará importações de trigo ucraniano e cereais, agindo se afetarem os mercados da UE, em acordo estabelecido.

Os vizinhos da UE da Ucrânia reclamaram que as importações agrícolas afetaram seus produtores, levando a protestos de agricultores e proibições de importação. Os envios para esses países aumentaram após a invasão da Rússia à Ucrânia ter dificultado as exportações via rota tradicional do Mar Negro.

Kiev afirmou que suas exportações agrícolas não prejudicam a UE, com 95% passando pelo Mar Negro, em resposta às preocupações. O Parlamento Europeu e os governos dos países-membros agora precisam aprovar o acordo provisório, o que provavelmente acontecerá em abril.

Fonte: Datagro

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.