UE renova aprovação do herbicida glifosato por 10 anos

UE renova aprovação do herbicida glifosato por 10 anos
Imagem: Pixabay

A União Europeia (UE) renovou sua aprovação do herbicida glifosato por 10 anos, apesar de os estados-membros não terem chegado a um acordo majoritário sobre o produto químico, conforme relatado pela Reuters em 16 de novembro.

Em 2015, a agência de pesquisa do câncer da Organização Mundial da Saúde considerou o glifosato provavelmente cancerígeno para os seres humanos. No entanto, outras agências em todo o mundo, incluindo a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) e agências da UE, classificaram o glifosato como não cancerígeno, como mencionado pela Reuters.

Em 16 de novembro, a Comissão Europeia (CE) anunciou a renovação da aprovação do glifosato com base nas avaliações de segurança da Agência Europeia de Alimentos e da Agência Europeia de Produtos Químicos, sujeita a novas condições e restrições, como as taxas máximas de aplicação.

A empresa química alemã Bayer, que produz a marca de herbicida Roundup à base de glifosato, acolheu a decisão da UE. Em comunicado, a Bayer afirmou: “Essa reautorização nos permite continuar a fornecer uma importante tecnologia de gerenciamento integrado de ervas daninhas aos agricultores de toda a União Europeia”.

No entanto, grupos ambientalistas, incluindo o Greenpeace, condenaram o anúncio, conforme relatado pela Reuters.

Tensões na UE: Decisão de renovação enfrenta resistência e críticas de grupos ambientais e agricultores

A Bayer, que adquiriu o Roundup através de sua aquisição de US$ 63 bilhões da empresa de agroquímicos norte-americana Monsanto em 2018, enfrenta milhares de processos judiciais por câncer nos EUA.

Agricultores e outras aplicações têm utilizado amplamente o glifosato por décadas, incluindo a remoção de ervas daninhas de linhas ferroviárias.

A CE propôs estender sua autorização, que deveria expirar em 15 de dezembro, por 10 anos e solicitou a aprovação dos 27 países membros da UE.

Era necessária uma “maioria qualificada” para apoiar ou bloquear a proposta. No entanto, a última votação não ultrapassou esse obstáculo. Assim, a Comissão Europeia teve que tomar uma decisão de acordo com as regras da UE, conforme relatado pela Reuters.

A França absteve-se. O grupo agrícola Confederação Paysanne, pró-ambiental, condenou a decisão da UE. Isso ocorreu no processo de aprovação, conforme relatório.

O Greenpeace discordou da decisão, alegando contrariedade a opiniões de cientistas. Estes alertam para os possíveis efeitos prejudiciais do glifosato na saúde humana e no meio ambiente.

A agricultura sem glifosato é possível, afirmou a organização, e as políticas públicas devem ajudar os agricultores a eliminá-lo gradualmente.

De acordo com o grupo agrícola Copa e Cogeca, não havia alternativa equivalente.

Segundo o relatório, os países da UE continuariam sendo responsáveis por autorizar produtos fitossanitários contendo glifosato.

Fonte: Oils & Fats International

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.