UE vai liberar 99% das importações agrícolas do Mercosul, destaca Aliança Agrobrazil

Integrantes da Aliança AgroBrazil, grupo lançado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) para debater questões de comércio exterior no âmbito do setor privado, comemoraram nesta terça-feira (02) o acordo de livre comércio firmado entre o Mercosul e a União Europeia, após 20 anos de negociações.

A Aliança realizou uma reunião extraordinária que contou com a presença de representantes dos Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e das Relações Exteriores (MRE), além de entidades, associações e indústrias ligadas ao setor agropecuário.

O diretor do Departamento de Mercosul e Integração Regional do MRE, Michel Arslanian Neto, e o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, Orlando Leite Ribeiro, apresentaram alguns pontos acordados pelos dois blocos econômicos para os produtos do agro.

Um deles é que a União Europeia vai liberar 99% das importações agrícolas do Mercosul. A maior parte desse percentual entrará em desgravação tarifária (82%) e o restante terá acesso via cotas. Produtos como suco de laranja, frutas (melões, melancias, laranjas, limões, entre outras), café solúvel, peixes, crustáceos e óleos vegetais terão suas tarifas zeradas.

Com relação às cotas, a maioria será concedida gradualmente, em um período de seis a dez anos. A carne bovina, por exemplo, terá cota de 99 mil toneladas e tarifa reduzida. Além disso, a cota Hilton, que engloba as exportações de cortes finos da carne brasileira terá a sua tarifa atual de 20% zerada após a entrada em vigor do acordo.

Para a carne de frango serão 180 mil toneladas com alíquota zero. A cota para a carne suína ficou em 25 mil toneladas, com taxa de 83 euros por tonelada. Também está prevista uma cota para o etanol de 450 mil toneladas com tarifa zero. Para combustíveis e outras utilizações, a cota será de 200 mil toneladas com imposto reduzido.

Para a superintendente de Relações Internacionais da CNA, Lígia Dutra, o acordo aumenta a competitividade do setor agropecuário brasileiro, uma vez que a União Europeia é destino de quase 18% das exportações. “A decisão abre as portas para que outros acordos possam ser concluídos em breve e outras negociações sejam lançadas para benefício do agro”, disse Lígia.

Segundo a coordenadora de Relações Internacionais da CNA, Camila Sande, o acordo Mercosul-União Europeia também estabelece prazos e procedimentos para protocolos sanitários, fitossanitários e normas técnicas, buscando melhorar o acesso aos mercados e evitar medidas injustificadas e arbitrárias. “Ele garante maior previsibilidade e transparência regulatória pela redução de inspeções físicas, harmonização de procedimentos aduaneiros, dentre outros.”

Também participaram da reunião o secretário de Política Agrícola do Mapa, Eduardo Sampaio, a diretora do departamento de Comércio e Negociações Comerciais do Mapa, Ana Lúcia Oliveira Gomes, o diretor do Departamento de Acesso a Mercados e Competitividade do Mapa, Gustavo Cupertino.

O encontro teve a presença das seguintes entidades:

– Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ);

– Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (ABIA);

– Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz);

– Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab);

– Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC);

– Associação Brasileira da Indústria do Fumo (Abifumo);

– Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA);

– Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo);

– Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho);

– Associacao Brasileira Dos Produtores e Envasadores de Nectares e Sucos (Abrasuco);

– Associação das Empresas de Biotecnologia na Agricultura e Agroindústria (Agrobio);

– Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé);

– Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA);

– Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac);

 

– Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz);

– Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB);

– Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos);

– Associação Brasileira das Indústrias de Pescados (Abipesca);

– Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja).

Postagem: Marina Carvejani
Autor: DATAGRO
Fonte: DATAGRO

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.