União Europeia tenta aprovar acordo de energia renovável



Imagem: Pixabay


Os países da UE esperam aprovar um acordo sobre novas metas de energia renovável na quarta-feira e estão considerando opções, incluindo uma isenção para certas plantas de amônia, em uma tentativa de conquistar os países céticos em relação à lei final, disseram fontes diplomáticas.

A União Europeia está tentando finalizar um pilar fundamental de sua agenda climática. Se aprovada pelos países e legisladores da UE, a lei de energia renovável consagrará uma meta obrigatória para a UE obter 42,5% de sua energia de fontes renováveis até 2030.

{module Form RD}

A aprovação da lei pelos países foi adiada por semanas, após a oposição tardia da França e de outros países que buscam um tratamento mais favorável da energia nuclear no projeto de lei. A energia nuclear é de baixo carbono, mas não renovável.

O grupo de estados, muitos deles na Europa Oriental e com interesses em energia nuclear, também levantou preocupações sobre o destino da amônia produzida a partir do hidrogênio sob as regras.

A Suécia, que detém a presidência rotativa da UE e preside as negociações entre os países da UE, colocou a lei de volta na agenda de uma reunião de embaixadores dos países da UE na quarta-feira – sinalizando confiança de que agora tem apoio suficiente para ser aprovada.

Fontes diplomáticas disseram que as posições de alguns países não são claras. Esperava-se que a Eslováquia abandonasse sua oposição anterior e apoiasse a versão final, que forneceria uma maioria grande o suficiente para a aprovação da lei. “Podemos confirmar que a discussão está em andamento e há alguns movimentos. Claro, é do interesse de todos levar isso adiante, pois precisamos do acordo. Uma zona de desembarque pode ser um considerando sobre amônia, o que nos ajudaria a mover”, disse uma autoridade eslovaca.

O preâmbulo da amônia para a lei pode fornecer uma brecha limitada para o hidrogênio derivado de fontes não renováveis no cálculo das metas de combustível renovável dos países, mostrou uma versão preliminar. “Algumas instalações específicas de produção integrada de amônia podem precisar de uma grande reforma industrial para consumir partes maiores de hidrogênio produzido por eletrólise”, disse o rascunho.

O hidrogênio produzido nessas instalações pode ser excluído da linha de base usada para calcular as metas dos países para usar combustíveis renováveis, disse, acrescentando que essas plantas de produção de amônia devem ter planos para atingir a neutralidade de carbono até 2035.

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.