USDA confirma pouco avanço do plantio e um dos maiores atrasos da história dos EUA

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) trouxe a atualização do progresso do plantio dos grãos no país no final da tarde desta segunda-feira e confirma, por mais uma semana, o maior atraso na semeadura da história norte-americana. Os números seguem bem atrás do ano passado e da média dos últimos anos. 

O plantio do milho está concluído em apenas 58% da área, contra 90% do mesmo período do ano passado e da média dos últimos cinco anos. O número ficou consideravelmente abaixo das expectativas do mercado, que eram de 63% a 65%. 

Um dos estados mais atrasados continua sendo Illinois, que tem apenas 35% do área plantada, contra 99% do ano anterior. Indiana tem apenas 22%, frente aos 94% do mesmo períofo de 2018. 

Gráfico plantio milho

Gráfico compara o avanço do plantio nos últimos anos nos EUA – Fonte: Karen Braun

Os números da soja também preocupam. A área está apenas 29% semeada, contra 74% do ano passado, nesse mesmo período, e frente aos 66% da média das últimas cinco safras. As expectativas variavam entre 28% e 30% da área. 

Assim como no caso do milho, Illinois e Indiana também chamam a atenção, com o plantio em apenas 14% e 11%, respectivamente, enquanto em 2018 eram 89% e 85%. Na média dos dois estados, eram 70 e 63%.

Gráfico plantio soja

Gráfico compara o avanço do plantio nos últimos anos nos EUA – Fonte: Karen Braun

Ainda de acordo com os números do USDA, a germinação tanto do milho, quanto da soja também mostram um expressivo atraso em relação a temporadas anteriores. 

São 32% das lavouras do cereal que já emergiram, contra 69% de 2018 e da média dos últimos cinco anos. Na semana, o avanço foi de 13 pontos percentuais. Já de soja são somente 11%, contra 44% do mesmo período do ano passado, e 35% da média dos últimos cinco anos. 

As adversidades climáticas, principalmente o excesso de chuvas, continuam atrasando os trabalhos de campo nos EUA. E os próximos dias ainda serão de precipitações fortes, tornados, ventos severos e queda de granizo. 

Em resposta, o mercado reage, com subida forte nos preços na Bolsa de Chicago. Nesta madrugada o pregão da soja registrava ganhos de 30 cents/buschel na maioria dos vencimentos. Novembro, por exemlo, marcava 9,13 cents às 4 horas da manhã (horário de Brasilia).

Março, més de forte comercialização da nova safra brasileira (2019/2020), seguia acima de 9,30 c/b. Com prêmios acima de US$ 1,10 nos portos brasileiros, a soja (base Chicago) ultrapassava US$ 10,40. Julho, com negócios, a US$ 9,46,6 anuncia um novo marco para a cultura mais cultivada e negociada no País. 

Segundo analistas, um novo ciclo de altos preços se inicia para os grãos.

Postagem | Marina Carvejani 
Autor | Notícias Agrícolas
Fonte | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.