Você sabe de onde vem a erva-mate do seu chimarrão?


Um das principais tradições do gaúcho é o chimarrão. E a garantia de uma boa erva-mate pode ser conseguida com um produto certificado. A Emater/RS-Ascar certifica no Estado 12 marcas e outras quatro estão em processo de certificação.
As indústrias procuram os serviços da Emater/RS-Ascar porque buscam um meio de garantir a qualidade dos seus produtos frente aos consumidores. A certificação feita pela Instituição abrange práticas agrícolas, acompanhamento técnico, atividade de transporte, industrialização, gestão ambiental e da qualidade, além de aspectos relativos à segurança dos trabalhadores.
No Estado existem cinco polos de produção de erva-mate, que são o Vale doTaquari, o Alto Taquari, a região Planalto Missões, Alto Uruguai e Nordeste Riograndense. Segundo Antônio de Borba, engenheiro florestal da Emater/RS-Ascar, 60% da matéria-prima para a produção de erva no Estado vem do Alto Taquari, que é composto por Ilópolis, Arvorezinha, Putinga, entre outros municípios vizinhos.

Quem chega a São Mateus Do sul, há 120 km de Curitiba/PR, é recepcionado com a seguinte mensagem: “Seja bem-vindo à Terra da Erva-Mate”. Isso porque o município ostenta o título de primeiro do Brasil a ter o selo de Indicação de Procedência São Matheus. A conquista foi atribuída pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), na modalidade de Indicação Geográfica (IG). Isso significa que a erva-mate produzida no local tem características específicas graças ao meio geográfico, incluindo fatores naturais e humanos. O registro de IG permite delimitar uma área, restringindo o uso de seu nome aos produtores e prestadores de serviços da região. A área geográfica protegida está restrita aos municípios de Antônio Olinto, Mallet, Rebouças, Rio Azul, São Mateus do Sul e São João do Triunfo, no estado do Paraná.

 
A região de São Matheus é a principal responsável pela produção de erva-mate. São mais de 4 mil produtores, com produção de folha de 67 mil toneladas e rendimento médio de 7,5 kg/ha. 


Qualidade reconhecida

Hoje o Paraná possui sete produtos com registro de IG: a erva-mate de São Mateus do Sul, o café do Norte Pioneiro, a goiaba de Carlópolis, o mel do oeste do Paraná, o queijo de Witmarsun, a uva de Marialva e o mel de Ortigueira. Outras cinco já foram protocoladas e aguardam a confirmação por parte do INPI. O Paraná está entre os estados com o maior número de produtos certificados ou em processo de certificação de Indicação Geográfica, ocupando o terceiro lugar atrás apenas de Minas Gerais e do Rio Grande do Sul. A chancela atesta a autenticidade da produção e ajuda a impulsionar o turismo além de reconhecer o trabalho dos produtores da região. 

O Relações Públicas da Associação dos Amigos da Erva-Mate de São Mateus do Sul (IG-Mathe), Haroldo Mildemberg, explica que essa indicação atribui certa reputação, valor intrínseco e identidade própria que os distinguem dos demais produtos de igual natureza disponíveis no mercado, inclusive por ser a primeira reconhecida do país. 
Entre os motivos que levaram ao título estão a história, reconhecimento do mercado, o saber fazer (know how), genética, fatores de clima e solo e terroir da região. Tudo isso comprovado por documentação junto ao INPI.


“O desafio é tirar o chimarrão da cuia”

O projeto para o reconhecimento da região de São Mateus do Sul como território produtor de erva-mate no Brasil começou em 2014. O grande objetivo foi proteger e valorizar a cadeia produtiva da erva-mate no território. O pedido de registro da Indicação Geográfica São Matheus foi protocolado no INPI em novembro de 2015 e concedido em junho de 2017.  

Desde lá o produtor Ronaldo Toppel Filho, que cresceu vendo a família cultivar erva-mate, percebeu muitas melhorias na qualidade, conhecimento do produto e aumento da procura. Ele aposta nas boas práticas agrícolas para chegar a esse resultado. A erva-mate de São Mateus do Sul é nativa, cultivada na Mata Atlântica da floresta de araucária. Ele ressalta o apelo ecológico da produção. Hoje se consegue extrair o produto e conservar a floresta. 

Toppel também destaca o potencial que a cultura tem e que ainda é pouco explorado. A produção de folhas dele segue para a indústria e depois de beneficiada vai para exportação. Ele observa que o mercado externo vem crescendo e ainda há muito a expandir lá fora e dentro do Brasil. “Mesmo que o número de apreciadores da bebida esteja crescendo  o nosso desafio é tirar o chimarrão da cuia e levar também para os derivados como perfumaria, gastronomia, chás. Grande parte do mundo não conhece a erva-mate então o potencial de desenvolvimento é enorme”, completa.

AutorEMATER – RS & Eliza Maliszewski 

FonteAgrolink 
Postagem | Guilherme R. Bezzarro
Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.