Você sabia? Ciência NUCLEAR aumenta fertilidade do solo


Imagem: Pixabay


Por meio dos isótopos de carbono, nitrogênio, fósforo e outros elementos, é possível rastrear a movimentação dos nutrientes.

Noventa e cinco por cento dos alimentos que comemos são cultivados direta ou indiretamente no solo. Hoje, porém, esse recurso natural essencial está ameaçado por muitas formas de degradação do solo. Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), cerca de um terço dos solos do mundo já estão danificados por práticas agrícolas inadequadas e insustentáveis, mudanças climáticas ou poluição, com até 50.000 quilômetros quadrados.

{module Form RD}

As técnicas nucleares e isotópicas podem ajudar a minimizar as perdas de nutrientes do solo, permitindo que os cientistas coletem dados precisos para melhor avaliar e gerenciar a qualidade e a saúde do solo. Eles oferecem dados quantitativos valiosos e confiáveis para tomar decisões precisas e informadas sobre o gerenciamento e a conservação de terras agrícolas, ao mesmo tempo em que reduzem os impactos ambientais.

″O solo é um recurso vital, mas não renovável, porque leva até mil anos para produzir apenas dois a três centímetros dele″, disse Lee Kheng Heng, chefe da Seção de Manejo de Solo e Água e Nutrição de Culturas da Joint Centro FAO/AIEA. ″As técnicas nucleares ajudam a monitorar os processos do solo para proteger nossos solos, melhorando a produção agrícola, a segurança alimentar e o bem-estar humano em todas as partes do globo.″

Por meio dos isótopos de carbono, nitrogênio, fósforo e outros elementos, é possível rastrear a movimentação dos nutrientes dos fertilizantes orgânicos e inorgânicos do solo para as plantas e o meio ambiente. As técnicas isotópicas permitem aos cientistas medir a dinâmica de elementos químicos em solos e culturas.

″Sabemos que desde as civilizações antigas até os dias atuais e no futuro, os solos desempenharam e continuarão a desempenhar um papel central na subsistência e na sobrevivência das pessoas″, disse Mohammad Zaman, cientista do solo no Joint FAO/IAEA Centre. ″Para parar a perda de solo, precisamos de soluções inteligentes e inovadoras. As técnicas isotópicas fornecem exatamente isso.″

Fonte: Leonardo Gottems | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.