Colheita de arroz se aproxima do fim no Rio Grande do Sul

Colheita de arroz se aproxima do fim no Rio Grande do Sul
Imagem: Canva

A colheita de arroz no Rio Grande do Sul foi retomada e está se aproximando do final, beneficiada pelo clima com poucas chuvas nas regiões Sul, Centro e Oeste do estado. Conforme informações do Informativo Conjuntural divulgado nesta quinta-feira (23/05) pela Emater/RS-Ascar, os agricultores já colheram cerca de 95% das lavouras. No entanto, as perdas provocadas pela submersão de cultivos maduros e pelo acamamento de plantas estão consolidadas, levando muitos produtores a abandonarem as áreas remanescentes devido à inviabilidade técnica e econômica para realizar a operação.

Em alguns municípios, os produtores estão concluindo a colheita e aproveitando o tempo mais seco para realizar a incorporação das restevas e adiantar o preparo dos talhões para a próxima safra. A área cultivada no Estado está estimada em 900.203 hectares, conforme o Instituto Rio Grandense do Arroz (IRGA). A produtividade, inicialmente estimada em 8.325 kg/ha, deverá sofrer redução após o levantamento das perdas que está sendo realizado.

Em Dom Pedrito, os agricultores concluíram a colheita, que teve uma queda de produtividade de 4,4%, devido ao plantio tardio, à menor incidência de luz solar e às intensas precipitações que atingiram as últimas áreas colhidas. Ademais, Manoel Viana, após a inundação causada pela cheia do Rio Ibicuí, alguns agricultores finalizaram a colheita em terrenos encharcados, enfrentando produtividades extremamente baixas e grãos de qualidade inferior.

Já em Quaraí, completaram 97% da colheita; contudo, em certas zonas, apenas máquinas equipadas com esteiras se mostraram eficazes devido ao lodo. Em São Borja, a colheita prosseguiu nas partes das fazendas que emergiram após a vazante das águas, com algumas plantações totalmente arruinadas, acionando o Proagro para compensar as perdas nas áreas financiadas.

Em São Gabriel, a colheita progrediu bem após semanas lentas, com cerca de 2.600 hectares restantes, 10% do total.

Avanço e desafios na colheita de arroz

Na região de Pelotas, os rizicultores reiniciaram a colheita de forma intensa e prioritária, aproveitando o período de volumes acumulados baixos. Esse cenário possibilitou realizar a operação assim que as condições de umidade dos grãos e da palha do arroz atingiram níveis adequados para a trilha. Os agricultores já concluíram 96% da colheita, restando apenas 4% para serem colhidos em Arroio Grande, Canguçu, Rio Grande e Santa Vitória do Palmar.

Na região de Santa Maria, retomaram a colheita nos locais menos afetados pelas enxurradas, alcançando 88% da área cultivada. Antes das chuvas excessivas, tinham colhido 80% da cultura. A expectativa inicial de produtividade era de 7.800 kg/ha, mas a apuração atual indica 7.314 kg/ha, representando uma perda de aproximadamente 6% em relação à expectativa inicial. Ainda restam 12% para colher, mas não colherão parte dessas áreas.

Na região de Santa Rosa, os rizicultores concluíram a colheita e estão concentrados na comercialização. Após as intempéries das últimas semanas, observou-se uma variação positiva nas cotações do cereal na região. Os produtores relatam uma maior lucratividade nesta safra, apesar das dificuldades enfrentadas durante a colheita.

Perdas significativas em lavouras de arroz

Na região de Soledade, registrarão as maiores perdas proporcionalmente em relação à área cultivada, uma vez que estimam que 35% das lavouras ainda não se colheram. Muitas dessas áreas são inacessíveis para máquinas, e laudos municipais preliminares mostram que as perdas tendem a ser quase totais porque grande parte do arroz está acamada e a germinação dos grãos é elevada. Em Pantano Grande e Venâncio Aires, onde colheram mais de 85% das lavouras, as perdas são menores. Nos demais municípios, a área não colhida é mais significativa. Agricultores em Candelária colheram 60% antes das cheias, que causaram perdas nas lavouras e nos grãos armazenados. Falta de energia pode aumentar as perdas.

Segundo levantamento da Emater/RS-Ascar, a saca de arroz no Estado subiu 3,30%, de R$ 107,90 para R$ 111,46.

Fonte: Seane Lennon | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.