Emissões de óxido de enxofre marinho caem no primeiro ano de novos limites

Imagem: Pixabay


A introdução de novos limites de enxofre no combustível marítimo levou a uma queda de 70% nas emissões do transporte marítimo, de acordo com um comunicado da Organização Marítima Internacional (OMI) em 28 de janeiro.

Essa queda nas emissões foi “teste dos preparativos” que todas as partes interessadas haviam feito antes da entrada em vigor da regra, disse a OMI em seu site.

A decisão da IMO 2020 reduziu a quantidade de enxofre permitida no óleo combustível marinho de 3,5% para 0,5%.

Em 2020, houve apenas 55 casos relatados de combustível compatível com 0,5% não disponível, de acordo com o Sistema Global Integrado de Informações sobre Envio (GISIS) da IMO.

“Dado que mais de 60.000 navios negociaram os oceanos do mundo no ano passado, esta foi uma porcentagem notavelmente baixa de navios encontrando dificuldade em obter combustível compatível. Tivemos uma grande preparação durante 2019 e antes de todas as partes interessadas e tudo indica que não houve problemas significativos com o fornecimento de óleo combustível com baixo teor de enxofre”, disse Roel Hoenders, chefe de poluição atmosférica e eficiência energética da IMO.

Mesmo durante a pandemia da COVID-19, os navios de transporte de carga continuaram a entregar mercadorias e commodities, incluindo alimentos e medicamentos essenciais, em todo o mundo e a introdução e implementação da IMO 2020 não causou interrupções no comércio, disse a IMO.

{module Form RD}

A IMO disse que a maioria dos navios que comercializam em todo o mundo mudou do uso de HFO para o uso de óleo combustível de muito baixo teor de enxofre (VLSFO), que eram novas misturas de óleo combustível produzidas pelas refinarias para atender ao novo limite, de acordo com as orientações da IMO e os padrões ISO. A IMO disse que não recebeu nenhum relatório de questões de segurança ligadas ao VLSFO até o momento.

Alguns navios também adotaram sistemas de limpeza de gases de escape (EGCS ou ‘scrubbers’), permitindo o uso contínuo do HFO. Isso foi aceito ao abrigo da Convenção MARPOL como um meio alternativo para atender ao requisito do limite de enxofre. Mais de 2.350 EGCS foram formalmente relatados à IMO como um “método equivalente” aprovado.

Os navios também poderiam ter motores que pudessem usar diferentes combustíveis, contendo baixo ou zero enxofre, como gás natural liquefeito ou biocombustíveis.

Este texto foi traduzido automaticamente do inglês.

Fonte: Oils & Fats internacional (OFI)

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.