CASSAVA/CEPEA: Processing drops 42% in the 1st half of 2017

O processamento de mandioca pela indústria de fécula caiu 41,7% no primeiro semestre de 2017 (786,2 mil toneladas) em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Como consequência, a produção de fécula recuou 41% no mesmo período de comparação. Diferente de anos anteriores, há menor disponibilidade de lavouras para a colheita, que estão concentradas com poucos produtores, resultando em uma safra mais curta, com preços da mandioca em patamares elevados. 

A cotação média da raiz neste primeiro semestre foi de R$ 502,75/t (R$ 0,8743/grama de amido), alta de 72% em comparação com o preço médio do mesmo período do ano passado, em termos reais. (deflacionamento pelo IGP-DI de junho de 2017).

De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), neste ano, a área a ser colhida com mandioca no Brasil deve ser de 1,36 milhão de hectares, 7,1% abaixo da registrada na safra passada. Quanto à produtividade, pode recuar 6,3% em 2017, com estimativa de 14,7 toneladas por hectare. Assim, a produção indicada pelo IBGE para este ano é de 20 milhões de toneladas, queda de 13% em relação ao total produzido em 2016 e o menor volume produzido desde a década de 1960.
 
Ainda segundo o IBGE, a produção industrial caiu no primeiro semestre deste ano, apesar de registrar leve recuperação em maio. Este cenário refletiu em menor demanda dos segmentos industriais, como de produtos alimentícios, bebidas, têxteis e de celulose e de produtos de papel e papelão. Além disso, a operação Carne Fraca, deflagrada pela polícia federal em março, levou à diminuição no consumo de fécula por parte dos frigoríficos. Cálculos do Cepea indicam que, na primeira metade deste ano, o consumo aparente de fécula foi de 260,2 mil toneladas, recuo de 24% em relação ao primeiro semestre do ano passado.
 
Neste cenário de demanda enfraquecida, indústrias tiveram dificuldades no repasse das altas para o produto. Apesar disso, o valor médio da fécula no primeiro semestre foi de R$ 2.663,85/t (R$ 66,60/saca de 25 kg), alta de 42% frente à média dos seis primeiros meses de 2016, também em valores reais. 

 

 
Com os preços da mandioca superiores aos da fécula, a margem industrial recuou, fazendo indústrias diminuírem a capacidade instalada, principalmente as que haviam formado estoques no início do ano passado. Deste modo, o volume de estoques concentrados com poucas unidades vem diminuindo nas últimas semanas. 
 
Apesar das altas cotações da mandioca, produtores se mantêm retraídos quanto à intenção de plantio neste ano, já que alguns têm renegociado parte das dívidas de 2015. Para outros, entretanto, os custos de produção ainda elevados preocupam, principalmente devido aos arrendamentos e à mão de obra. 

 
 

Source: Agrolink

Facebook
twitter
LinkedIn

Aboissa supports

Stay up to date with news
and the best opportunities in
agribusiness – sign up now!

Asia

Saudi Arabia

Bangladesh

China

singapore

South Korea

United Arab Emirates

Philippines

India

Indonesia

Iraq

Jordan

Lebanon

Malaysia

Oman

qatar

Türkiye

Vietnam

Hong Kong

America

Argentina

Bolivia

Brazil

Canada

Chile

Colombia

Ecuador

U.S

Guatemala

british virgin islands

Mexico

Nicaragua

Panama

Paraguay

Peru

Uruguay

Suriname

Venezuela

Dominican Republic

Costa Rica

Africa

South Africa

Algeria

Cameroon

Costa do Marfim

Egypt

Liberia

Morocco

Sierra Leone

Sudan

Kenya

Tunisia

Mauricio Islands

Europe

Albania

Germany

Belgium

Bulgaria

Spain

Finland

France

England

Italy

Lithuania

Poland

Portugal

Russia

Türkiye

Serbia

Sweden

Switzerland

Ukraine

Cyprus

Estonia

Ireland

Romania

Oceania

Australia

New Zealand

Request a quote!

Fill out the form and get support for your business needs.
Our experts are ready to offer customized solutions.

*We are currently not working with intermediaries.

By providing my data, I agree with the Privacy Policy.