YUCA/CEPEA: Procesamiento cae 42% en el 1er semestre de 2017

O processamento de mandioca pela indústria de fécula caiu 41,7% no primeiro semestre de 2017 (786,2 mil toneladas) em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Como consequência, a produção de fécula recuou 41% no mesmo período de comparação. Diferente de anos anteriores, há menor disponibilidade de lavouras para a colheita, que estão concentradas com poucos produtores, resultando em uma safra mais curta, com preços da mandioca em patamares elevados. 

A cotação média da raiz neste primeiro semestre foi de R$ 502,75/t (R$ 0,8743/grama de amido), alta de 72% em comparação com o preço médio do mesmo período do ano passado, em termos reais. (deflacionamento pelo IGP-DI de junho de 2017).

De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), neste ano, a área a ser colhida com mandioca no Brasil deve ser de 1,36 milhão de hectares, 7,1% abaixo da registrada na safra passada. Quanto à produtividade, pode recuar 6,3% em 2017, com estimativa de 14,7 toneladas por hectare. Assim, a produção indicada pelo IBGE para este ano é de 20 milhões de toneladas, queda de 13% em relação ao total produzido em 2016 e o menor volume produzido desde a década de 1960.
 
Ainda segundo o IBGE, a produção industrial caiu no primeiro semestre deste ano, apesar de registrar leve recuperação em maio. Este cenário refletiu em menor demanda dos segmentos industriais, como de produtos alimentícios, bebidas, têxteis e de celulose e de produtos de papel e papelão. Além disso, a operação Carne Fraca, deflagrada pela polícia federal em março, levou à diminuição no consumo de fécula por parte dos frigoríficos. Cálculos do Cepea indicam que, na primeira metade deste ano, o consumo aparente de fécula foi de 260,2 mil toneladas, recuo de 24% em relação ao primeiro semestre do ano passado.
 
Neste cenário de demanda enfraquecida, indústrias tiveram dificuldades no repasse das altas para o produto. Apesar disso, o valor médio da fécula no primeiro semestre foi de R$ 2.663,85/t (R$ 66,60/saca de 25 kg), alta de 42% frente à média dos seis primeiros meses de 2016, também em valores reais. 

 

 
Com os preços da mandioca superiores aos da fécula, a margem industrial recuou, fazendo indústrias diminuírem a capacidade instalada, principalmente as que haviam formado estoques no início do ano passado. Deste modo, o volume de estoques concentrados com poucas unidades vem diminuindo nas últimas semanas. 
 
Apesar das altas cotações da mandioca, produtores se mantêm retraídos quanto à intenção de plantio neste ano, já que alguns têm renegociado parte das dívidas de 2015. Para outros, entretanto, os custos de produção ainda elevados preocupam, principalmente devido aos arrendamentos e à mão de obra. 

 
 

Fuente: Agroenlace

Facebook
gorjeo
LinkedIn

Aboissa apoya

Manténgase al tanto de las noticias
Es mejores oportunidades del
agronegocios – ¡regístrate ahora!

Asia

Arabia Saudita

bangladesh

Porcelana

Singapur

Corea del Sur

Emiratos Árabes Unidos

Filipinas

India

Indonesia

Irak

Jordán

Líbano

Malasia

Omán

Katar

Turquía

Vietnam

Hong Kong

America

Argentina

Bolivia

Brasil

Canadá

Chile

Colombia

Ecuador

Estados Unidos

Guatemala

islas vírgenes británicas

México

Nicaragua

Panamá

Paraguay

Perú

Uruguay

Surinam

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

Sudáfrica

Argelia

Camerún

Costa de Marfil

Egipto

Liberia

Marruecos

Sierra Leona

Sudán

Kenia

Túnez

Islas Mauricio

Europa

Albania

Alemania

Bélgica

Bulgaria

España

Finlandia

Francia

Inglaterra

Italia

Lituania

Polonia

Portugal

Rusia

Turquía

Serbia

Suecia

Suiza

Ucrania

Chipre

Estonia

Irlanda

Rumania

Oceanía

Australia

Nueva Zelanda

¡Solicitar presupuesto!

Complete el formulario y obtenga soporte para las necesidades de su negocio.
Nuestros expertos están listos para ofrecer soluciones personalizadas.

*Actualmente no trabajamos con intermediarios.

Al facilitar mis datos, acepto las Política de privacidad.