Lei antidesmatamento da UE: Agro brasileiro já sofre cobranças ambientais

Lei antidesmatamento da UE: Agro brasileiro já sofre cobranças ambientais
Imagem: Canva

A CNA recebeu, na segunda-feira (29), representantes da União Europeia (UE) para discutir o andamento das negociações do acordo com o Mercosul e a legislação antidesmatamento europeia.

O vice-presidente de Relações Internacionais, Gedeão Pereira, e a diretora da área, Sueme Mori, reuniram-se com Paolo Garzotti e Inmaculada Monteiro, da Direção-Geral do Comércio (DG Trade), e Damian lluna, da delegação da UE no Brasil.

O diretor-geral do Senar, Daniel Carrara, juntamente com o coordenador de Inteligência Comercial e Defesa de Interesses, Felipe Spaniol, também participaram da reunião.

Por sua vez, Sueme Mori falou sobre o trabalho da CNA e explicou que a Confederação tem acompanhado as negociações com o bloco europeu desde o início. Ela é favorável ao texto que foi acordado em 2019, o qual prevê a ampliação do acesso de produtos do agro brasileiro ao mercado europeu.

No entanto, a diretora ressaltou a preocupação dos produtores rurais do Brasil com a Lei Antidesmatamento da União Europeia (EUDR), e outra regulações europeias, que possam impactar negativamente as exportações brasileiras de produtos agropecuários ao bloco europeu.

“O mercado brasileiro está preocupado com a lei porque pode fechar portas para os produtos do agro. A CNA é a favor do Acordo desde que haja um mecanismo de reequilíbrio de concessões, que garanta a renegociação dos termos, caso a UE adote medidas, como a EUDR, que prejudiquem o acesso dos produtos brasileiros, conforme previsto no Acordo.”

Acordo ambiental busca equilíbrio entre exportação e sustentabilidade

Paolo Garzotti explicou que o Acordo é “muito político” e que as discussões com os governos estão avançando. O grupo está visitando todos os países da América do Sul para conversar com os governos e com os setores privados.

Ele disse que europeus buscam políticas ambientais fortes sem impedir exportações, devido à dependência de importações agrícolas. “A Comissão quer ouvir todas as partes e já percebemos o problema. Somos leais à legislação, mas sensíveis às preocupações brasileiras.”

O grupo também discutiu o estabelecimento do risco país, que vai criar uma classificação de risco dos países do Mercosul em relação as áreas desmatadas.

Sueme Mori destaca que a classificação discrimina países e que produtores rurais brasileiros já enfrentam cobranças ambientais em contratos de exportação. Portanto, ela defende que a União Europeia diferencie desmatamento legal do ilegal e agilize a implementação da lei, respeitando a agropecuária.

Fonte: Datagro

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.