Lula diz que Brasil quer deixar de ser importador de fertilizantes

Lula diz que Brasil quer deixar de ser importador de fertilizantes
Imagem: Canva

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira que pretende que o Brasil deixe de ser um importador de fertilizantes e questionou por que o país ainda não é autossuficiente no insumo, já que é um grande produtor de alimentos.

Durante discurso em evento de inauguração de complexo industrial em Minas Gerais com capacidade para produzir 1 milhão de toneladas de fertilizantes fosfatados por ano, Lula ainda disse que foi preciso acontecer a guerra na Ucrânia, provocada pela invasão do território ucraniano pela Rússia, para que despertasse no Brasil a certeza de que o país precisa produzir fertilizantes.

“Nós queremos deixar de ser importador (de fertilizante). No ano passado foram 25 bilhões de dólares que nós pagamos para importar fertilizantes para o Brasil”, disse Lula.

“Esse dinheiro poderia ter sido pago para empresários, que geram emprego, salário e qualidade de vida aqui dentro”, acrescentou o presidente. Ele incentiva os empresários da Eurochem, responsável pela construção da unidade, a investirem em mais plantas de fertilizantes no Brasil.

Presidente defende a revitalização da indústria de fertilizantes no Brasil

O presidente criticou o fechamento de fábricas de fertilizantes no Brasil nos últimos anos, atribuindo a um “complexo de vira-lata” existente no Brasil. Ele também disse que a guerra na Europa alterou a percepção sobre a necessidades de produção de fertilizantes.

Sanções impostas pelo Ocidente atingiram a Rússia, um grande produtor mundial de fertilizantes, por causa da invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022. Lula afirmou que a guerra Rússia-Ucrânia reforçou a necessidade de produzir fertilizantes no Brasil, despertando consciência nacional.

O presidente também voltou a enfatizar seu otimismo em relação à economia brasileira, mencionando anúncios recentes de investimentos de montadoras e projetos de energia renovável como sinais positivos para o futuro.

“Agora, as coisas voltaram a melhorar; ademais, as empresas vão retomar a produção, o povo vai retomar as compras, as empresas vão reiniciar as vendas, e este país está na trilha do crescimento novamente. O Brasil não desperdiçará a chance do século 21, ao contrário do que ocorreu no século 20”, afirmou.

Por outro lado, o desemprego já apresenta uma redução significativa, e há uma expectativa otimista prevalecendo. Consequentemente, o povo brasileiro observará mais empresas, como a Eurochem, retomando seus investimentos no Brasil.

Fonte: Eduardo Simões | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.