Mercado de proteína animal atento à oferta global de grãos



Imagem: Adobe Stock


A oferta de grãos de maneira global afeta localmente os preços e, consequentemente, os custos de produção de proteínas animais, especialmente daqueles animais que consomem rações essencialmente compostas por milho e farelo de soja. Silvia Bampi, que é consultora em Gerenciamento de Riscos da StoneX, explicou sobre a necessidade de atenção ao cenário mundial de produção e oferta, além da composição de preços, durante a 4ª Conbrasul Ovos.

Pensando no cenário de milho e farelo de soja, e também de que o Brasil tem papel significativo na exportação de frango de corte, e há um consumo grande destes insumos na atividade, a situação da gripe aviária gera alerta, conforme explica Silvia.

{module Form RD}

“Se a indústria tem uma dificuldade (no caso, se houver complicações sobre a influenza aviária no Brasil), isso abala a demanda interna. 81 bilhões de toneladas é o que o Brasil deve consumir de milho, quase 30 milhões de toneladas do que o país exporta. E uma parte expressiva disso vai para o mercado de rações. Quase 24% do milho brasileiro vai para frango de corte. Se a indústria tiver que colocar o pé no freio, pode ser mais um fator baixista de preço”, afirmou. 

A especialista destaca que hoje há uma recomposição de oferta, o que é precificado pelo mercado. Entretanto, no ano passado, o cenário era outro.

“A Ucrânia tinha uma representatividade enorme na exportação mundial de milho, quando o Brasil e Argentina tinham problemas com o cultivo do cereal. Mas com a guerra com a Rússia, o mercado acabou ficando receoso e com dúvidas, e saiu em busca de outras alternativas, além das frustrações de safras, colocou o Brasil no último ciclo como grande exportador de milho”.

Outro ponto ressaltado pela especialista é que o mercado é bastante dependente da China em relação ao milho, porque o gigante asiático possui grande estoque, e isso faz com que, se eles tiverem volumes significativos estocados, a China coloca o pé no freio nas compras internacionais.

“O mercado olha para o aspecto de que, se o Brasil não tivesse duas safras, como é que ficaria o cenário internacional do farelo de soja, vendo a frustração das safras na Argentina? A safra norte-americana saltará em volume, dependendo do clima no mês de julho (que é crucial para o desenvolvimento da safra por lá) se a safra não for tão grande assim, os mercados podem se preocupar, mesmo com uma safra grande vinda do Brasil”, acrescentou.

No mercado mundial da soja, de um lado o mundo observa a safra norte-americana, que representa no mundo 32 a 35%, dependendo do momento, e quando passa a safra norte-americana, o mercado da soja vira a chave e olha a safra na América do Sul. De acordo com Silvia, isso se dá porque juntando Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, se fala de metade da produção mundial da oleaginosa.

“Isso é muita coisa. E não só metade da produção mundial da oleaginosa, como também na América do Sul fica um dos principais fornecedores globais de farelo de soja, que é a Argentina. É lógico que tudo que acontece aqui afeta esses mercados, por isso nós temos visto desde o final do ano passado até dois ou três meses atrás, uma volatilidade significativa. Mas por que essa chave virou? Porque apesar dos problemas climáticos no Rio Grande do Sul e na Argentina, o Brasil colheu quase 160 milhões de toneladas de soja”, disse.

“Hoje, infelizmente, o mercado não aceita mais amadores. Estamos falando de uma cadeia muito mais complexa, completa e internacional. Estamos falando de produção brasileira, mas não dá para não olhar para a produção mundial”, afirmou.

Fonte: Letícia Guimarães | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.