Queda nos embarques de grãos pelo Canal de Suez após ataques Houthi

Queda nos embarques de grãos pelo Canal de Suez após ataques Houthi
Imagem: Pixabay

Os ataques dos Houthis às embarcações no Mar Vermelho resultaram em uma queda nos embarques de grãos e sementes oleaginosas pelo Canal de Suez. Empresas de transporte desviam rotas para evitar ataques na região sul da África, conforme a agência de notícias Anadolu.

Devido a essa alteração nas rotas, as tonelagens transitadas pelo Canal de Suez reduziram em 65%, segundo um relatório datado de 19 de janeiro.

Os ataques dos Houthis interrompem o comércio global, com 12% e um terço do transporte de contêineres Ásia-Europa via Canal de Suez, disse Ralph Ossa, economista-chefe da OMC, à Anadolu.

Desde novembro do ano passado, os Houthis do Iêmen têm atacado navios mercantes no Mar Vermelho em retaliação aos ataques israelenses em Gaza. Em meados de janeiro, Estados Unidos e Reino Unido iniciaram ataques conjuntos contra alvos militares dos Houthis. Navios em rotas mais longas causam aumento nas taxas de frete e atrasos superiores a uma semana nas entregas, relatou a Anadolu.

Dados da Anadolu, com base na Clarksons Research, indicam queda de 65% na tonelagem de navios no Golfo de Áden em janeiro de 2024 em comparação com dezembro de 2023. Em dezembro de 2023, os volumes de grãos e oleaginosas no Canal de Suez caíram de 7,2 milhões para 5,9 milhões de toneladas, de acordo com a OMC. Isso resultou em um aumento das rotas alternativas.

Essa redução representa quase um quinto a menos em uma base anual e 15% abaixo da média de três anos, conforme adicionado pela OMC.

Impactos do conflito Malásia-Israel

Em janeiro, os volumes de grãos e sementes oleaginosas pelo Mar Vermelho caíram para 0,9 milhão de toneladas, uma queda significativa em relação ao ano anterior. Isso representou uma redução de três vezes e 63% em comparação com a média dos últimos três anos para o mesmo período.

Conforme o instituto econômico alemão IfW Kiel, o comércio global sofreu uma desaceleração de 1,3% em dezembro em comparação com novembro. O tráfego de contêineres pelo Mar Vermelho caiu pela metade em dezembro, passando de 500.000 para 200.000 contêineres/dia.

Além disso, a Malásia proibiu navios de carga israelenses de atracarem em seus portos devido à guerra em Gaza e acusando Israel de violações do direito internacional, conforme relatado pela Aljazeera.

Em 20 de dezembro, o primeiro-ministro da Malásia, Anwar Ibrahim, proibiu navios de Israel, incluindo a ZIM, de acessarem suas águas. Navios a caminho de Israel também seriam impedidos de carregar cargas em portos malaios, conforme declarou Anwar.

A Malásia, país com uma população majoritariamente muçulmana, não mantém relações diplomáticas com Israel e apoia uma solução de dois estados para o conflito Israel-Palestina.

Fonte: Oils & Fats International

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.