Doenças e calor elevam preços do cacau em mais de 200%

Doenças e calor elevam preços do cacau em mais de 200%
Imagem: Pixabay

Com gargalos na oferta global, o cacau continua sendo o produto que mais avança nas bolsas internacionais. Um levantamento realizado pelo Notícias Agrícolas mostra que no último ano o contrato mais negociado em Nova York avançou mais de 200%. A quebra na produção da África, principal origem do produto, justificam valores tão significativos.

Segundo Rafael Borges, analista da StoneX Brasil, há algum tempo o mercado trabalha com a projeção de quebra de 18% para a Costa de Marfim e 18% para Gana, os dois principais produtores de cacau do mundo. No contexto global e considerando a produção em outros países, o mercado estima uma queda produtiva de 11% no ciclo atual.

Os fundamentos seguem sólidos, com o mercado preocupado com as altas temperaturas e baixo volume de chuva na região. “Um clima extremo, muito mais extremo em relação aos anos anteriores, mas também a incidência de doenças”, afirma.

Crise no cultivo de cacau: Doenças devastam produção e preveem déficits globais em estoques

Além disso, dados mais recentes mostram que até 30% das áreas de cacau nos dois países estão impactados com doenças graves para a planta. “É um vírus transmitido por um pulgão e vai sendo transmitido de árvore em árvore. No primeiro ano, essa doença traz queda de produtividade e, geralmente, depois de três anos, essa árvore acaba morrendo. Há um contexto estrutural para essa queda tão brusca da produção”, explica o analista.

Diante deste cenário, o mercado espera uma queda bem acentuada dos estoques. Se confirmado, será a terceira safra com déficit global do produto e com a demanda superando a oferta. Por outro lado, ele complementa: “Espera-se um déficit de 374 mil toneladas para esta temporada, e isso, após três safras, deve reduzir o estoque para os menores níveis em muitas décadas”.

A demanda tem sido o principal fundamento do mercado. Rafael explica que os dados mais recentes da indústria de processamento esperava uma queda mais significativa, sendo surpreendido pelo setor. “Nós observamos uma queda bem menor do que a esperada, de 2,2% na moagem de cacau na Europa e de 0,2% na Ásia. Isso trouxe toda fundamentação altista para o cacau porque deram dados bem menores do que se esperava”, afirma.

A volatilidade, de acordo com o especialista, se mantém, mas os fundamentos continuam sólidos e o mercado continuam com suporte na demanda que ainda está suportando valores tão expressivos nos preços.

Brasil

O primeiro trimestre de 2024 registrou uma queda de 31% no volume recebido de amêndoas nacionais, pela indústria processadora de cacau. Foram 18,7 mil toneladas recebidas no período, em contraste com as 27,2 mil toneladas recebidas nos três primeiros meses de 2023, de acordo com os dados compilados pelo SindiDados – Campos Consultores, e divulgados pela Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC). “No primeiro trimestre de todo ano já é esperado um volume menor de recebimento, mas este ano a queda foi de mais de 30% comparado com 2023, e essa redução se deve principalmente aos impactos do El Niño e de doenças como a vassoura de bruxa e podridão parda”, explica a presidente-executiva da AIPC, Anna Paula Losi.

Recebimento por estado

A Bahia respondeu por pouco mais de 61% do volume total de amêndoas nacionais que a indústria processadora recebeu no primeiro trimestre de 2024, atingindo um total de 11,4 mil toneladas. Em comparação com o mesmo período do ano anterior, quando o volume fornecido pelo estado foi de 13,9 mil toneladas, houve um recuo de aproximadamente 18%.

Por outro lado, o Pará, que respondeu por 32% do volume recebido, totalizou 5,8 mil toneladas. Isso representa uma queda de quase 50% em comparação com o mesmo período do ano anterior, quando ele recebeu 11,6 mil toneladas.

Espírito Santo (1.273 toneladas) e Rondônia (156 toneladas) contribuíram com 7% do volume total recebido no primeiro trimestre do ano de 2024, mantendo estabilidade em relação aos valores de 2023.

Moagem de cacau

A moagem de cacau no país teve um recuo de 6% em comparação aos números do mesmo período de 2023. Portanto, o volume industrializado de amêndoas foi de 59,9 mil toneladas nesses três primeiros meses de 2024, em contraste com as 64 mil toneladas do ano anterior. Anna Paula afirma que “a redução na moagem está ligada à queda no recebimento de amêndoas no período. De todo modo, o volume de moagem deste trimestre ainda é superior à média do primeiro trimestre dos últimos 3 anos”.

Fonte: Virgínia Alves | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.